CAPA-Melhores dicas para as mães de primeira viagemA maternidade é algo lindo! É ali que começa uma nova vida.

Mas a maternidade também tem o seu lado preocupante para a mulher e família, cuidados com a saúde do bebê, “criação” e formação de uma pessoa com valores corretos e sem traumas, adaptações na casa para receber o bebê, entre outras novidades que geram bastante dúvida e incerteza para a mãe e família da criança.

Para tentar solucionar algumas dúvidas dessas “mães de primeira viagem”, que no artigo de hoje vamos dar algumas dicas importantes, envolvendo desde cuidados com a saúde do bebê, até técnicas para um desenvolvimento cognitivo correto da criança. Veja!

DICA 1 – Durante a gravidez, tenha uma alimentação saudável!

Ter uma alimentação saudável durante a gravidez, controlando fatores (como o ganho de peso em excesso, a ingestão de muitos alimentos doces e ricos em açúcar, a falta de prática de uma atividade física de rotina e o hábito de fumar cigarros), é uma das melhores dicas para as mães.


Assim elas podem evitar o surgimento da diabetes gestacional, doença que pode causar problemas para a mulher, que podem ir desde dificuldade em cicatrização de ferimentos, levando até à amputação de membros em casos graves, e o seu bebê.

MIOLO-Melhores dicas para as mães de primeira viagem

DICA 2 –  Não dê bronca no bebê!

Uma das melhores dicas para as mães é saber que dar bronca no bebê, gritando e batendo, não adianta. Mesmo que o seu filho já engatinhe, ele ainda não é maduro o suficiente para conseguir distinguir as suas ações e caracteriza-las como sendo o certo ou o errado.

As crianças até os dois anos de idade tem a maioria das suas ações feitas de forma involuntária, como um processo de conhecimento do mundo e gritar com eles, apenas afetará o desenvolvimento cognitivo do bebê.

O correto é você dar bronca no bebê “de forma leve”, ou seja, ao invés de gritar e bater, começar a demonstrar a ele que isso é algo que te desagrada, olhando-o com um olhar firme, enfatizando para ele não fazer isso e sempre redirecionando-o para outra atividade.

DICA 3 –  Não crie o hábito do bebê chupar chupeta!

Chupar chupeta é usado como um artifício para silenciar e acalmar os bebês e crianças de maneira rápida e para esse fim, realmente tem efeito positivo.

Mas, apesar da chupeta ser vista como solução, ela traz muitos pontos negativos relacionados ao seu uso e acarreta problemas que vão desde consequências no desenvolvimento físico até fatores emocionais da criança.

Esse uso deve ser substituído por momentos com a mãe ou familiares da criança, onde ele se sinta protegido,já que em grande parte a chupeta é um hábito que traz uma sensação de proteção ao bebê.

Se o seu bebê já usa a chupeta, saiba que quanto mais cedo a chupeta for embora, menos a criança vai ter problemas relacionados ao seu uso.


Por isso, o ideal é iniciar o processo de remoção da chupeta aos 2 anos de idade, e chegar aos 3 anos sem nenhum hábito de sucção não nutritiva e assim estas alterações tendem a voltar à normalidade.

Já se a chupeta for removida depois da primeira troca dos dentes de leite, geralmente, a criança irá ter que usar aparelho ortodôntico.