CAPA-Principais doenças que afetam o endométrioA membrana mucosa que cobre a parede do útero, damos o nome de endométrio.

Esse endométrio é  uma região bastante irrigada por vasos, ficando mais ou menos vascularizada de acordo com estímulos enviados pelos hormônios ovarianos, estrogênio  e progesterona, que são produzidos respectivamente pelos folículos e pelo corpo lúteo.

O endométrio participa da alegria da concepção de uma nova vida, mas pode também  sofrer influências externas e funcionar de forma errada. Vamos observar o que acontece quando algo está errado nessa membrana e as doenças associadas ao endométrio.

1 – Endometriose

A endometriose é uma das doenças que afetam o endométrio, com grande incidência entre as brasileiras. De acordo com a Associação Brasileira de Endometriose, estima-se que essa doença afeta cerca de seis milhões de brasileiras. Além disso, acredita-se que aproximadamente de 10% a 15% das mulheres em idade reprodutiva possam vir a desenvolver a doença e em 30% desses casos, ficarem estéreis.


Essa doença caracterizada pela presença da camada de endométrio fora da cavidade uterina, atingindo outros órgãos da região pélvicas como as trompas, os ovários, o intestinos e a bexiga.

Um dos sintomas dessa doença é o sangramento fora de hora, isso porque ao contrário do que acontece no útero, a membrana do endométrio sangram um pouco, mas se curam em seguida e estão prontas para são estimuladas novamente durante o ciclo seguinte persistindo o problema.

As causas exatas da endometriose ainda não são claras, mas os médicos acreditam em menstruação retrógrada, crescimento de células embrionárias e sistema imunológico deficiente, como possíveis causas para o problema.

MIOLO-Principais doenças que afetam o endométrio

2 – Câncer de Endométrio

Outra que aparece como uma das doenças que afetam o endométrio é o câncer de endométrio. Essa é uma das mais graves e com maior taxa de letalidade.

De forma geral, o câncer de endométrio é bastante comum em mulheres com mais de 60 anos de idade e pode ocorrer em diversos subtipos de câncer de endométrio, sendo que o mais comum o carcinoma endometrióide.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), este é o sexto tipo mais comum de câncer em mulheres numa escala mundial e  a doença é apresenta grande letalidade, mesmo sendo normalmente detectado rapidamente devido ao sangramento vaginal anormal que ocorre na mulher.

A doença é caracterizada pelo desenvolvimento de células anormais no  revestimento do útero, ocorrendo inclusive  após a menopausa, onde os períodos menstruais param e o esperado é que o revestimento endometrial também deixa de crescer.

A exata causa e origem do problema ainda é desconhecida, mas acredita-se que haja uma mutação genética no interior das células no endométrio que transforma as células saudáveis normais em células anormais, ocasionando a formação de uma massa (tumor).